Por que tenho dores de cabeça?

Existem inúmeras causas para dores de cabeça, entre as mais comuns estão Tensão Muscular e Enxaqueca, sendo que a segunda é mais forte, incapacitante, causa náuseas e uma intolerância a luz e ruído. Grande parte das dores de cabeça crônicas são determinadas por aspectos genéticos e exacerbada por aspectos ambientais.

“O tratamento da dor de cabeça crônica é um processo que nasce de um diagnóstico preciso, compreensão do contexto de vida do paciente, mapeamento dos sintomas (diário de dor), mudanças de estilo de vida e, eventualmente, medicamento preventivo”, explica o neurologista Leandro Teles.

Se você tem dor de cabeça constante ou frequente, talvez essa lista de sintomas e causas possa te ajudar:

1 – Sedentarismo


Sedentários apresentam mais dor de cabeça do que as pessoas ativas. Não precisa virar um atleta, fazer atividades físicas regularmente como caminhar, correr e nadar reduz a constância e a intensidade de crises de dor de cabeça. Isso acontece porque a atividade física estimula a produção do hormônio endorfina, que proporciona o bem-estar e funciona como uma morfina natural. Consequentemente, alem de melhorar as dores de cabeça, a atividade física melhora o sono, controla a ansiedade, o peso e a saúde como um todo.

2 – Privação de Sono ou dormir de mais


Cada pessoa precisa de um tanto de horas de sono de acordo com seu organismo. Você pode conhecer alguém que dorme 6 horas por dia e acordar disposto, enquanto o seu corpo necessite de muito mais pra ter o mesmo desempenho. Independente da quantidade que cada um precisa, é fundamental dormir e acordar sempre no mesmo horário. Dormir demais também pode causar dores de cabeça, pois a posição deitada eleva a pressão intracraniana fazendo com que estruturas ali contidas comecem a ser pressionadas contra as paredes do crânio, causando aquelas dores enjoadas.

3 – Ficar muito tempo sem comer


Erro comum de cometer. O correto é se alimentar a cada 3 horas, todo mundo sabe, mas vai falar isso pro meu chefe isso se torna difícil nos dias de hoje onde estamos sempre no corre-corre e resolvendo problemas. Quando ficamos muito tempo sem comer a quantidade de açúcar no sangue baixa, podendo desencadear uma crise de privação glicêmica para quem tem enxaqueca ou cefaleia tensional. Mais importante ainda, ter uma boa alimentação é algo imprescindível para uma vida saudável.

4 – Alimentação Inadequada


Algumas pessoas são sensíveis a alguns alimentos, manifestando dor de cabeça após esse consumo. Os mais comuns, no caso da enxaqueca são: chocolate ao leite, queijos amarelos, embutidos, condimentos e temperos. Eles podem conter substâncias que alteram o calibre dos vasos dentro da cabeça, precipitando uma crise (são ricos em tiramina, cafeína, sulfitos, nitratos, etc.). O ideal é ficar bem atento, só retire da dieta se houver uma associação consistente. Atente também para laticínios (muitas pessoas são intolerantes), fast food, refrigerantes, etc.

5 – Estresse do dia-a-dia


O estresse, considerado o ‘mal’ do século 21, ataca pelo menos 3 em cada 7 trabalhadores brasileiros, tornando o Brasil o segundo país do mundo com níveis de estresse altíssimos. Nos sobrecarregamos com trabalho, estudos, relacionamentos, filhos, etc. Podemos reduzir o estresse fazendo atividades de relaxamento, como ler, tirar um tempo para o lazer, atividades físicas ou qualquer outra coisa que nos proporcione prazer.

6 – Consumo de Álcool


Baixas doses de álcool estão associadas ao menor índice de infarto, pois dificultam a adesão de placas de gordura nas paredes das artérias. O vinho, em particular, ainda tem os flavonóides, substância que aumenta a concentração do bom colesterol (HDL). Mas algumas pessoas tem predisposição a dores de cabeça e o álcool pode agravar os sintomas. No caso da enxaqueca deve-se ter mais cuidado com o vinho tinto, que além de álcool contém tiramina (uma substância que altera os vasos).

7 – Abuso de Medicamento Analgésico


Consumir analgésico todo dia para diminuir a dor pode ter o efeito contrário. Devemos tomar no máximo 2 vezes na semana esse tipo de medicamento, para crises muito eventuais, acima disso é considerado abusivo. O medicamento em excesso faz com que as crises retornem com uma frequência cada vez maior, podendo aparecer até todos os dias. Nesses casos, procure por ajuda especializada de um médico.

8 – Doenças descompensadas


Uma série grande de doenças clínicas descompensadas pode causar ou piorar crises de dor de cabeça. Entre as principais estão: fibromialgia, problemas de coluna cervical, depressão, ansiedade, problemas na tireoide, insônia, disfunção de ATM, bruxismo, etc. Pode isso, é fundamental manter a saúde em dia e atentar para a compensação de outras patologias que possam estar associada à dor de cabeça. Para tal, é importante o seguimento médico regular e uma abordagem clínica abrangente.

9 – Oscilação hormonal


A queda ou a elevação do estrógeno são importantes desencadeadores de dores de cabeça. A montanha russa hormonal que as mulheres em idade fértil passam as torna muito mais sensíveis às dores de cabeça. Por isso que a enxaqueca é 3X mais comum em mulheres do que em homens. O período de maior risco é o pré-menstrual, aonde o estrógeno despenca, mas podem ocorrer crises durante ou mesmo logo após a menstruação. É fundamental checar se sua dor de cabeça tem esse padrão e comunicar ao seu ginecologista e seu neurologista de confiança.

10 – Exposição solar excessiva


Mais um fator provocador de dor. A exposição excessiva, seja em tempo, seja em intensidade, pode causar desde desconforto leve até fortes crises de enxaqueca. O calor é vasodilatador, além disso, a exposição luminosa intensa pode precipitar crises. No verão, é muito comum haver piora das crises, por viagens, alteração do ritmo de sono e alimentar, excesso de álcool e aumento da exposição solar.


Escolha por qual forma você deseja comentar: